Um jeito fácil de 

vender seu Ford KA usado

Aqui, seu carro vale até 20% a mais e você só nos paga se o carro for vendido. Cuidamos de tudo pra você!

 

Como Funciona

Recomendamos o melhor

Preço de Venda

Anunciamos e negociamos

com os interessados

Você só entra para fechar o negócio!

 Analisamos o mercado do Ford KA, o estado do carro, o valor da tabela Fipe e de carros similares anunciados. Recomendamos o preço para que você ganhe mais. 
O Venda Fácil recomenda valores para a venda, porém, o valor final da negociação será sempre definido por você.

Fazemos o anúncio do seu Ford KA, atendemos e negociamos com os interessados para te livrar deste trabalho e ainda aumentar o valor de venda.  Você fica com o carro até a venda, e recebe toda semana um relatório com a situação da venda.

Somos especialistas em carros. Ao identificar um potencial comprador, agendamos um local seguro para você fechar o negócio. O valor do carro é depositado diretamente em sua conta corrente. Você só nos paga se a venda for concretizada.

Nosso Jeito de Vender Melhor

Aqui, oferecemos a oportunidade de você vender seu Ford KA por um valor 20% maior e sem dor de cabeça!

Conheça o Venda Fácil, uma plataforma online da WeCare Auto, idealizada para ajudar as pessoas interessadas em vender seus carros pelo valor justo, sem ter de, necessariamente, recorrer a uma Revenda, que pode diminuir o valor do carro em até 30%. Uma revendedora de veículos, por ter custos maiores que os nossos, precisa comprar seu carro por um valor menor para que possam lucrar com a transação de compra e venda.

O Venda Fácil negocia diretamente com o comprador (usuário final), por isso consegue valores maiores na venda do carro usado. 

Com nossos especialistas, podemos ajudá-lo(a) a vender bem seu usado. Oferecemos uma solução onde cuidamos de todo o processo de venda, realizando a divulgação em nosso próprio portal e em outros portais , tais como WebMotors, iCarros e OLX. 

Recusamos as propostas que não fazem sentido para você e, quando tivermos uma proposta dentro de suas expectativas, agendamos um local seguro para o fechamento do negócio. Cuidamos de Tudo para você vender melhor e com mais segurança.

E tem mais, você pode desistir de vender conosco a qualquer momento antes do encerramento da negociação. Consulte nosso estoque clicando no link do cabeçalho da página e veja que muitas pessoas já estão usando nossos serviços.

Imagine contar com toda esta comodidade e segurança e ainda sobrar mais dinheiro no seu bolso?

O Custo do nosso serviço varia de 2,5% até 6,0% do valor de venda do carro e funciona assim porque depende da facilidade que temos para vender seu carro (liquidez) e também do valor do bem. Com o Venda Fácil, você não tem surpresas e fica sabendo do percentual (%) antes de iniciar o processo de venda conosco.

 
Consulte-nos, SEM COMPROMISSO.

Você somente nos pagará o percentual devido se a venda for concluída e após o comprador depositar o dinheiro em sua conta corrente.

Somos uma empresa de serviços com diversas soluções automotivas. Nosso maior objetivo é o de levar comodidade e redução de custos aos nossos clientes.  Gerenciamos mais de 50.000 carros em nossa carteira.

 
Atendemos clientes com veículos até 100 mil km rodados e ano modelo a partir de 2008, somente em bom estado, sem sinistros de grandes proporções e sem débitos ou sem histórico de leilão.

Clique agora no botão abaixo e solicite uma cotação.

 

Depoimentos

Venderam rápido e por um valor maior que o ofertado na troca.

Fabiana Patah - São Paulo

 

Quem Somos

 

O Venda Fácil é um produto da empresa WeCare Auto, uma das principais consultorias automotivas do Brasil. Já ajudamos a centenas de clientes na venda do carro e temos mais de 50.000 clientes sendo atendidos regularmente. Somos uma empresa de serviços com diversas soluções automotivas para facilitar a vida de nossos clientes. Atendemos a grandes corporações e também a pessoas físicas. Dispomos de Especialistas, Rede de Serviços e Avançado Sistema de Gestão.

 

Com a WeCare, seu carro está sempre em dia e você fica despreocupado.

Para mais informações: https://www.wecareauto.com.br/

FALE CONOSCO

Rua Tabapuã, 627 – Itaim Bibi – São Paulo

 

https://www.wecareauto.com.br/


Tel: (11) 3595-5559

Whatsapp (11) 95981-9800

 

                                HISTÓRIA - FORD KA 21 ANOS DE BRASIL

Difícil imaginar, mas o Ford Ka atualmente vendido no mercado brasileiro como um hatch e sedã compacto, em sua terceira geração, nasceu como um microcarro há 21 anos, chegando à sua maioridade.

 

Tudo começou na Europa, com o conceito Ka:, um simpático carrinho bem arredondado, quase igual a um Fusca, que a Ford apresentou no Salão de Genebra de 1994. O protótipo tinha faróis redondos e lanternas e grade do radiador ovais, seguindo o conceito estético da marca na época. Queria ser também um sucessor simbólico do Volks, que também renascia naquele salão através do conceito Concept 1 (o embrião do New Beetle).

O conceito vermelho chamou muita atenção dos visitantes, correspondendo às expectativas da montadora de origem norte-americana, que já tinha planos de lançar um veículo urbano, econômico e barato para concorrer com o fenômeno Renault Twingo, lançado dois anos antes.

 

Apesar do sucesso, a Ford retrabalhou no projeto do Ka:. Trocou os faróis redondos por um conjunto triangular que envolve a lateral, esticou e afinou a grade na frente, tornou as janelas laterais mais pontudas, enquanto que atrás achatou a tampa do porta-malas e colocou lanternas em formato de olho. Por fim, dividiu os dois pára-choques em três partes, para facilitar a reposição. Manteve a plataforma do Fiesta (geração 1995-2001), mas quebrou a modernidade equipando-o com o velho motor Endura 1.3 (derivado do usado no Escort 1968) na posição transversal e finalmente colocou no mercado o KA.

Antiguidade do motor à parte, a Ford aproveitou para inaugurar o seu novo conceito estético o qual rebatizou de New Edge, que continuaria com a primeira geração do Focus, a segunda do Mondeo e o Fiesta 2002.

 

A versão definitiva do primeiro Ka acabou ficando com um estilo de pirâmide, combinando com a origem egípcia do seu nome, que significa "Alma" ou "Espírito" (do Fusca, de preferência). Chegou ao mercado europeu em setembro de 1996.

Seis meses depois, em março de 1997, o pequeno KArro já estava no Brasil, fabricado em São Bernardo do Campo. Eram bons tempos aqueles em que as montadoras daqui se preocupavam em lançar rapidamente modelos atualizados como o Vectra, o próprio Fiesta, Golf e o Astra.

O Ka brasileiro, felizmente, surgiu idêntico ao europeu. Tinha os mesmos 3,62m de comprimento, 1,64m de largura, 1,41m de altura, o mesmo desenho das calotas e o mesmo interior de painel arredondado, com o seu inovador porta-luvas removível e acabamento simples, com lataria aparente na parte interna da porta. Mas se era simpático na Europa, aqui ganhou o apelido de três Luizas: Luiza Brunet de frente (bela), Luiza Thomé de perfil (elegante) e Luiza Erundina de traseira (feia).

O defeito era o porta-malas exíguo de 182 litros. Aí já seria querer demais.

 

As únicas diferenças para o europeu foram a denominação de acabamento CLX que recebeu apenas no Brasil e a lente das lanternas de acordo com a nossa legislação. O motor foi o mesmo de lá: o velho Endura 1.3 de 60 cv, que aqui equipava o Fiesta. Só perdeu um pouco de torque por causa da nossa "bendita" gasolina: 10,4 contra 10,7 kgfm, além de precisar de mais rotações. Cumpria a promessa de ser um carro econômico ao fazer a média de consumo de cerca de 13 km/l. A campanha publicitária de lançamento do Ka também era ousada como o seu estilo. Na televisão, quando que ele passava, o cenário voltava ao início do século XX.
 

Um mês depois, chegava ao mercado o Ka com motor 1.0, que era o mesmo Endura 1.3 com a cilindrada reduzida. Sua potência ainda era de 53,5 cv. Também era mais econômico que o seu irmão. Andava cerca de 14 km/litro. Números da revista Quatro Rodas. Seu acabamento era mais simples e não vinha com o relógio oval no alto do painel, substituído por uma plaqueta de plástico com o logotipo do carro em relevo. No final do ano foi eleito o Carro do Ano da revista Autoesporte, quebrando um jejum de 14 anos para a Ford, que não vencia desde 1984 com o Escort.

O Ka 1.0 deu início a separação de caminhos entre o modelo brasileiro e o europeu. Dois anos depois de conviverem juntos, o Endura 1.3 nacional foi extinto enquanto o 1.0 foi substituído pelo então moderno propulsor Zetec Rocam, com comando roletado, que aumentou a potência para 65 cv. Na aparência ganhou, além da sigla GL, a versão de acabamento Image, com para-choques na cor da carroceria nas versões mais completas. E ainda herdou o relógio analógico do finado irmão mais forte. Em 2000, ganhou a série especial Tecno, com para-choques cinza escuro e a carroceria prata.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ka Tecno

 

Em 2001, depois de ser adotado no Fiesta e no Escort, a versão 1.6 do motor Rocam chegou ao Ka. Especialmente para isto, ele vestiu uma roupa mais esportiva, ganhando entrada de ar no parachoque, aerofólio no vidro de trás e saias laterais que tinham um prolongamento até o paralama traseiro, onde estava gravado o nome do traje: XR.

Por dentro, painel preto com máscara prateada e instrumentos de fundo branco. Havia também apliques "cromados" no pomo da alavanca de câmbio. A potência fazia jus à proposta do carro, dentro do seu porte: 95 cavalos. 

 

Ainda em 2001, ganhou uma série especial, também limitada, mais completa tanto com motor 1.0 quanto 1.6. Era uma versão única que oferecia bancos de couro, ar condicionado, direção hidráulica, vidros e travas elétricos e apenas uma cor, o Preto Ebony. Por isso, foi chamado de Ka Black. Curiosamente, podia ser blindado. Mas apenas com motor 1.6.

 

O Black foi a despedida da aparência original do Ka. Saiu de cena para o compacto ser reestilizado pela primeira vez como modelo 2002. Mas só atrás, onde ele ganhou novas lanternas que ficaram mais altas e também estreitas. A placa subiu para a tampa do porta-malas. Por dentro, as novidades foram o porta-objetos no teto e a tomada de 12 volts no painel. A versão esportiva XR foi promovida à produção normal e continuou sendo a única com motor 1.6.
 

 

Somente o Ka brasileiro ganhou esta traseira modificada. Em compensação, o modelo europeu ganhou a versão SportKa, com motor 1.6 de 70 cavalos e faróis mais retangulares, ainda que na mesma posição, e o roadster StreetKa, com a mesma frente do cupê esportivo, mas com lanternas totalmente novas. O representante conversível em nosso país foi feito pela independente Sulam, que criou o KAbriolet, com bancos em couro e quatro lugares. Quase ganhou uma versão perua de quatro portas.

 

O Ka brasileiro estagnou-se visualmente. Ganhou nova frente apenas em 2004. A grade aumentou com a retirada da moldura oval, ganhou forma de colmeia e os para-choques também foram renovados. Vieram mais séries especiais como a Action 1.6 e a MP3, a mais completa, que trazia ar condicionado, direção hidráulica, travas e vidros elétricos e CD-Player que reproduzia MP3.

A segunda geração

No final de 2007 a vida do Ford Ka no Brasil se separou de vez do seu original europeu. Enquanto lá a segunda geração, com plataforma do Fiat 500 (uma parceria breve), manteve o estilo micro-city car, mais arredondado e atraente, com interior luxuoso que ainda remetia à primeira geração, por aqui ele manteve a mesma base e as portas do modelo original. Ele quase se chamou Fly, mas o nome Ka foi mantido para dar mais impacto.

Ainda somente com duas portas, o estilo da carroceria ficou uma coisa estranha. Na frente, faróis em formato de gota e grade com filetes horizontais e em H no para-choque. Na lateral, janelas posteriores longas e a coluna C larga davam um aspecto de mini-perua ao segundo Ka brasileiro (fazia lembrar a velha Brasília). O vidro traseiro ficou maior e elevado e as lanternas passaram a ser horizontais, mas sem invadir a tampa do porta-malas.
 

O segundo Ka brasileiro foi apresentado no final de 2007, mas só começou a ser vendido em fevereiro de 2008, já como linha 2009. Manteve os motores 1.0 e 1.6 Rocam, que enfim se tornaram bicombustíveis. O 1.0 já tinha 69 e 73 cavalos. O 1.6 variava entre 102 e 110 cv. Um atrativo do novo Ka foi a oferta de trava elétrica e alarme de série. As duas motorizações tinham versão única, sem nome, com pacotes de opcionais chamados Pulse e Class. Em 2009 foi relançada a série especial Tecno, usada na primeira geração, mas agora com CD Player com conexão Bluetooth e iPod. 

 

O Ka 2 ganhou um face-lift em 2011, fechando a grade entre os faróis e abrindo no para-choque dianteiro. As lanternas traseiras ganharam lentes transparentes, com estrutura cinza. O motor 1.6 passou a ser exclusivo da versão Sport, com chamativas faixas na lateral da carroceria, no capô e no teto, além de rodas escurecidas. Chamativas demais para quem queria apenas um carro com motor 1.6 para trabalhar. Para ser discreto, só sofrendo com o motor 1.0, que em um ano passou a ser o único da linha.

Mesmo crescido, o Ka ainda não correspondeu às expectativas. Faltava alguma coisa. Como uma carroceria quatro portas e uma versão sedã. E o desejo dos consumidores foi atendido. 

O terceiro Ka

O Ka cresceu novamente (agora com 3,88m de comprimento e 2,49m de distância entre-eixos) e está com design mais próximo de concorrentes como Volkswagen Gol e Chevrolet Onix, sem deixar a agressividade da enorme grade hexagonal padrão Ford. A sua plataforma agora vem do atual Fiesta (ainda chamado de New na época do seu lançamento). Ganhou acabamento caprichado e equipamentos como sistema multimídia SYNC, além de ar, direção, vidros e travas elétricos de série. Trocou a fábrica de São Bernardo do Campo, onde era produzido desde 1997 pela de Camaçari, na Bahia.

Enfim com quatro portas e versão três volumes, chamada Ka +, além de um novo motor 1.0 de três cilindros e outro 1.5 e versões SE, SE Plus e SEL, a terceira geração do Ka chegou ao mercado em setembro de 2014, para substituir o Fiesta Rocam (da geração anterior ao modelo que emprestou a sua base) e brigar pela liderança do mercado nacional. Em 2016, foi lançado na Europa com o mesmo nome do sedan brasileiro, e o Ka voltou a ser um modelo global.

Nos últimos três anos, o Ford Ka continua com o mesmo estilo, tendo apenas modificações pontuais. Ganhou encaixe ISOFIX para cadeirinhas infantis e retrovisores elétricos em 2015, cinto de segurança de três pontos e apoio de cabeça para os três passageiros de trás, além do rebatimento bipartido do mesmo banco em 2016 e as versões Trail (aventureira) em abril e S e SE Tecno 1.0 em outubro do ano passado. O Ka três volumes passou a se chamar Ka Sedan. A Ford promete um face-lift para este ano, porque ele ficou ofuscado pelo Chevrolet Onix e Hyundai HB20, os dois carros mais vendidos do país, e também o Fiat Argo e o Volkswagen Polo.

 

 

 

Curiosamente, ele já foi renovado na Europa. Por aqui, só foi apresentada em fotos a versão aventureira Freestyle, que lá se chamará Activ. 

O Ford Ka já está custando a partir de R$ 44.780 na versão S 1.0. E pensar que há vinte e um anos era vendido por R$ 11 mil e já era caro na época. Ele é a prova viva de que brasileiro não gosta de carro pequeno e com estilo ousado demais.

Fonte: http://novoguscar.blogspot.com

  • Facebook ícone social